Menina-cabeça-de-liquidificador

Quinta-feira , 19 de Junho de 2014

Displaying liquidificador.jpg


Escrito por Juw. às 19h18
[] [envie esta mensagem]



05 anos depois

Os dias não passaram por aqui

Encanto

A menina cresceu

Tanto

Mãe, esposa, patroa

Espanto

Feliz, sem tempo, faz tempo

Por enquanto

Pois, a saudade que faz doer

Pranto

Traz de volta, acorda o esquecido

No canto

Mesmo por um momento

Levanto

Ligo o liquidificador

A menina sai andando de dentro

Foi o Santo!


Escrito por Juw. às 18h44
[] [envie esta mensagem]


Quarta-feira , 05 de Agosto de 2009

Quando plantar uma árvore?

Sempre achei meio clichê essa história de crise das idades, afinal, não há nada mais natural do que o envelhecimento, que vem junto com o amadurecimento, a serenidade, a experiência, a mudança de valores, de hábitos, de ritmos, de cores, de dores, enfim, normal. Parece que é uma coisa cultural, que vai passando de pai para filho, como completar os dez dedos da mão; festa de 15 anos; alforria dos 18, dos 21; o primeiro “encontro íntimo”; a formatura...Fases da vida que já têm data marcada para serem marcantes. Que saco! Coisa mais previsível! E não é que estou pagando minha língua? Encontro-me completamente no meio da maior crise trigésima da minha existência! Desculpa aí, mas vim aqui desabafar! Não me identifico com o peso dessa idade e não entendo a pressão. Vivi coisas tão maravilhosas, já conquistei pedaços tão importantes, mas parece que cheguei na metade do caminho, 30 anos, e tudo o que aconteceu não é suficiente, pois ainda não plantei árvore, não fiz filho, não escrevi livro, não casei e, pra completar, não estou trabalhando! Vou me jogar da janela! O contraditório me acompanha, estou com preconceito comigo mesma, este enraizado em nossas memórias, das coisas que têm data certa pra acontecer. Fico angustiada, me cobro e depois rio de mim, “coisa mais ridícula”. As regras, a vida e a idade são minhas, e, se eu quiser, simplesmente não faço 30 anos! O bom é que no fundo, no fundo, lá no fundinho, tem uma coisa dizendo que o tempo de cada um é quem dita o momento certo das plantações, das fecundações, e das publicações. O meu não chegou e pronto!!!!!

Beijos da trintona adolescente dramática, nascida em 30/08/1979.


Escrito por Juw. às 10h47
[] [envie esta mensagem]


Segunda-feira , 20 de Abril de 2009

Cada amor, um canto

A impressão é que tudo o que se fala sobre o amor já foi dito. Os sentimentos se parecem e se confundem. A gente ouve pessoas dizendo que já viveram o que sentimos. Mas, se sempre que nos apaixonamos é diferente, como pode ser igual em outras pessoas? É só impressão. O significado de um olhar, um beijo, um carinho, uma lágrima desperta sensações diferentes, sempre diferentes, hoje e amanhã. O amor pra mim agora é azul clarinho e tem música embalada por suspiros e chocolate. Pela manhã, ele tem fome e saudade e, quando chove, parece que fica maior. Tem horas que dá vontade de chorar de feliz, mas também há momentos em que o medo atrapalha um pouco. Surpreendo-me rindo sozinha quando estou longe e ele fica mais perto do que se realmente estivesse. É mágico, é grande e inexplicável.  E são as oscilações dos encantos que dão o rítimo e fazem ressurgir um sentimento novo todos os dias, pra sempre.


Escrito por Juw. às 00h08
[] [envie esta mensagem]


Sábado , 28 de Março de 2009

As brasas sem brisa e o gelo

Um calor daqueles de esquentar os miolos. Vontade de tirar a roupa, chorar, mergulhar no gelado, ligar o ar condicionado em pleno céu aberto. Uma loucura, desespero sem solução. Pessoas suadas, irritadas, cansadas, vermelhas, feias e fedorentas tomaram conta da cidade. O asfalto rachado evaporava o odor dos pneus queimados, dos pés descalços, do lixo azedo, do mamão estragado, do sangue do rapaz que foi atropelado e perdeu a vida queimando. E, no meio da crise, o surto foi inevitável. Ouviu-se um grito de longe vindo do céu. A bomba explodiu e a chuva de pedras geladas começou para arrasar os calorosos ardidos, que tiveram as costas queimadas chicoteadas com gelo, as cabeças apedrejadas e os pés massacrados de dor. Um senhor, que avistava a dança de longe, com a janela fechada e o ar ligado, sorriu. Sorriu e enxergou uma natureza adolescente, exagerada, imatura e dramática. Apontou para o buraco situado bem mais embaixo, muito mais embaixo do que eles podiam ver. Ainda não estava na hora.


Escrito por Juw. às 14h45
[] [envie esta mensagem]


Sexta-feira , 16 de Janeiro de 2009

Sobre panelas e tampas

Quando a panela perde a tampa o refogado fica sem gosto, a água que escorre evapora rápido, seca, queima e dói. O brilho de antes fica opaco, feio e triste, mas é assim mesmo. Acontece também da frigideira derreter o cabo, da cumbuca ficar sem colher, da xícara ter seu pires tão amado quebrado. E no meio desses desastrosos acontecimentos inusitados da vida, você acha que nunca mais fará aquele temperinho gostoso, que tudo o mais será desgosto. Doce engano! É a partir daí que a pessoa descobre que o angu é que andava sem graça e que ninguém aguentava mais olhar pra cara daquele pires cafona! Chegou a hora de renovar, de reenergizar, de escolher colheres mais modernas, de experimentar receitas diferentes em outras panelas e de inventar jeitos novos de colocar muita água nessa boca! Adeus panela velha!  


Escrito por Juw. às 20h53
[] [envie esta mensagem]


Quinta-feira , 08 de Janeiro de 2009

Meu Beabá

Muito prazer, sou a menina que sente coisas. E o que me traz aqui novamente é a saudade, sempre tão presente em meus dizeres. Sinto falta do cheiro das palavras engolidas e da brisa dos encontros, tais encontros com o mistério da exposição. Canso-me ao contar as horas longe de mim, pois quando não digo, não sou, não existo por um tempo. Ausente, fico aqui solitária lembrando da música que inspirava o desabafo e ao escutar novamente, desabafo agora. Grito e faço você enxergar meu texto, meu amor, meu terror. Sinto as coisas mais inusitadas e redescubro um pouco de mim quando te vejo e se não te beijo, morro.


Escrito por Juw. às 12h19
[] [envie esta mensagem]


Sexta-feira , 03 de Outubro de 2008

Em farrapos

Dentes quebrados e cílios caídos. Pele sem água e veias deslavadas, sem ar. Rosto sem maçãs, perna sem batata, estômago com fome, sem sangue. Joelhos enferrujados, cotovelos doídos, unhas dos pés crescidas. Barba branca, pêlos no nariz, olheiras. Suvaco cabeludo, nó na garganta, boca seca, flacidez. Nudez sem vida, corpo sem calor. Coração petrificado, pulmão apodrecido, fígado inchado. Olho sem brilho, cabeça sem lembrança, testa enrugada, insônia. Mão sem aperto, lábio sem sorriso, intestino preso. Bexiga sem xixi, sem esperança, sem razão, sem nome, sem emoção, sem palavras, sem mulheres, sem nada. Copo sem cachaça. 


Escrito por Juw. às 15h24
[] [envie esta mensagem]


Sábado , 09 de Agosto de 2008

Anonimata

Ela odiava clichês. Tudo na sua vida era diferente. O que comia, vestia, pensava, valorizava, sentia, aspirava, falava. A mesmice não participava da vida dela e um dia diferente do outro era sua meta. Colecionava empregos, amigos, viagens, experiências de todos e mais variados tipos. Sim, pois para satisfazer essa incansável insatisfação com o que já existe era necessário fazer das tripas coração, ou seria deixar o coração em tripas, ou o coração sem tripas, coração? Ah, ela não ligava muito pra isso. Era uma menina moderna que julgava serem hipócritas as relações cuja base era a fidelidade, e preferia viver do seu jeitinho descompromissado com os homens. Uma noite negro, noutra japonês, indiano. O cardápio variado deixava suas noites mais saborosas. A maioria das pessoas não conseguia compreender este estilo de vida e criticava dizendo que tinha medo de se envolver, que fugia de seus complexos, que não conhecia o amor. E não é que era isso mesmo? De repente se viu usando o mesmo perfume e pensando no mesmo chucrute delicioso que havia comido duas semanas atrás. Difícil seria comê-lo novamente, pois não sabia nem o nome do prato, nem o telefone do restaurante, nada.


Escrito por Juw. às 19h31
[] [envie esta mensagem]


Quarta-feira , 06 de Agosto de 2008

Urgente

O medo de sofrer antecipa uma dor descabida no auge da felicidade. É o traumatismo sentido ao longo dos anos, trauma crônico. Aguda é a lembrança do que nem se sabe e atrapalha o sono, embaça o fluxo da endorfina e, ao mesmo tempo, fortalece, conforma: um verdadeiro contrasenso! A segurança da couraça podre alivia o coração desalmado, mas também mascara o mal estar da inexperiência, do despreparo, do rancor de si mesmo. Não se engane. Não fuja mais. Vista estes óculos e vá pra terapia.


Escrito por Juw. às 08h57
[] [envie esta mensagem]


Quinta-feira , 31 de Julho de 2008

Colírio vazio

Olhava, olhava pra mim com aquele ar de quem está olhando através, sem foco, sem brilho, sem vida. Falava como se nada o impactasse; como se um carinho e um estupro fossem a mesma coisa; como se não beber água não provocasse sede. Não ria, não sonhava, não sentia. Adormeceu de olhos abertos e pupilas dilatadas aos 30 e vegetou, congelou, desligou, acabou alguns anos depois. Foi uma droga de vida. Foi uma droga pesada. Foi uma droga cara. Custou minha infelicidade que padece aqui, de olhos fechados para uma realidade dura, áspera, crua. A carne viva do remorso, do consciente atrasado, da impotência diante dos erros. Podia me entorpecer também, mas não mereço...


Escrito por Juw. às 08h30
[] [envie esta mensagem]


Sexta-feira , 25 de Julho de 2008

Ninguém segura

Ele foge

Faz amadurecer

Sofrer

Viver

Sonhar

Rever

Pensar

Renascer

Amar

Padecer

Tem vezes que se perde

O importante é aproveitar

Pode valer o sentido

Ou uma simples lembrança que não será esquecida

E nesse cronômetro incessante

É bom sempre lembrar que ele não para

O tempo não volta


Escrito por Juw. às 13h41
[] [envie esta mensagem]


Segunda-feira , 14 de Julho de 2008

A menina mais velha

O que importa mesmo é o pretexto. Brindar a maturidade dos anos vividos; ser bajulado com beijinhos e carinhos; tomar uma grande e esquecer da lei seca; reunir os amigos; faltar o trabalho; fazer uma viagem; estourar o cartão de crédito; escolher onde quer jantar; receber flores e café na cama; ganhar presentes; fazer o que quiser por um dia, um único dia no ano. O dia do aniversário geralmente é assim. Geralmente, pois há quem se deprima, esconda, finja que não envelheceu, ou melhor, não nasceu. Como também há quem não tenha este pretexto almejado por não saber nem mesmo quantos anos tem. Mas, como hoje é dia de comemoração para ela, vamos esquecer os fatos tristes! A menina-cabeça-de-liquidificador está fazendo dois aninhos hoje e gostaria de dizer o quanto está feliz em poder compartilhar seus momentos, alegrias, dúvidas, tristezas, devaneios, surpresas, amores, sua vida! E dizer-lhes o quanto são importantes para que o motorzinho continue funcionando a cada rodela triturada de reciprocidade e carinho!

O que ela quer de presente?

- Uma vitamina liquidificada especialmente por você! Mãos à obra!


Escrito por Juw. às 08h20
[] [envie esta mensagem]


Quarta-feira , 02 de Julho de 2008

Digo e repito

"Não existe a palavra cronológico no vocabulário da empatia e da admiração. São os momentos que contam o tempo que a gente sente".


Escrito por Juw. às 17h26
[] [envie esta mensagem]



Tocou

Falou

Ouviu e falou

Ouviu

Falou e ouviu

Falou

Sorriu

Ouviu e sorriu

Falou

Calou

Calou


Escrito por Juw. às 09h17
[] [envie esta mensagem]



[ ver mensagens anteriores ]
 
 
 
       
   
Histórico
  15/06/2014 a 21/06/2014
  02/08/2009 a 08/08/2009
  19/04/2009 a 25/04/2009
  22/03/2009 a 28/03/2009
  11/01/2009 a 17/01/2009
  04/01/2009 a 10/01/2009
  28/09/2008 a 04/10/2008
  03/08/2008 a 09/08/2008
  27/07/2008 a 02/08/2008
  20/07/2008 a 26/07/2008
  13/07/2008 a 19/07/2008
  29/06/2008 a 05/07/2008
  22/06/2008 a 28/06/2008
  15/06/2008 a 21/06/2008
  27/04/2008 a 03/05/2008
  16/03/2008 a 22/03/2008
  10/02/2008 a 16/02/2008
  30/12/2007 a 05/01/2008
  16/12/2007 a 22/12/2007
  25/11/2007 a 01/12/2007
  18/11/2007 a 24/11/2007
  04/11/2007 a 10/11/2007
  28/10/2007 a 03/11/2007
  21/10/2007 a 27/10/2007
  07/10/2007 a 13/10/2007
  30/09/2007 a 06/10/2007
  16/09/2007 a 22/09/2007
  02/09/2007 a 08/09/2007
  26/08/2007 a 01/09/2007
  19/08/2007 a 25/08/2007
  12/08/2007 a 18/08/2007
  29/07/2007 a 04/08/2007
  22/07/2007 a 28/07/2007
  15/07/2007 a 21/07/2007
  08/07/2007 a 14/07/2007
  01/07/2007 a 07/07/2007
  24/06/2007 a 30/06/2007
  17/06/2007 a 23/06/2007
  10/06/2007 a 16/06/2007
  03/06/2007 a 09/06/2007
  27/05/2007 a 02/06/2007
  13/05/2007 a 19/05/2007
  29/04/2007 a 05/05/2007
  22/04/2007 a 28/04/2007
  08/04/2007 a 14/04/2007
  01/04/2007 a 07/04/2007
  18/03/2007 a 24/03/2007
  11/03/2007 a 17/03/2007
  04/03/2007 a 10/03/2007
  25/02/2007 a 03/03/2007
  11/02/2007 a 17/02/2007
  04/02/2007 a 10/02/2007
  21/01/2007 a 27/01/2007
  14/01/2007 a 20/01/2007
  07/01/2007 a 13/01/2007
  31/12/2006 a 06/01/2007
  10/12/2006 a 16/12/2006
  03/12/2006 a 09/12/2006
  26/11/2006 a 02/12/2006
  19/11/2006 a 25/11/2006
  12/11/2006 a 18/11/2006
  05/11/2006 a 11/11/2006
  29/10/2006 a 04/11/2006
  22/10/2006 a 28/10/2006
  15/10/2006 a 21/10/2006
  08/10/2006 a 14/10/2006
  01/10/2006 a 07/10/2006
  24/09/2006 a 30/09/2006
  17/09/2006 a 23/09/2006
  10/09/2006 a 16/09/2006
  03/09/2006 a 09/09/2006
  27/08/2006 a 02/09/2006
  20/08/2006 a 26/08/2006
  13/08/2006 a 19/08/2006
  06/08/2006 a 12/08/2006
  30/07/2006 a 05/08/2006
  23/07/2006 a 29/07/2006
  16/07/2006 a 22/07/2006
  09/07/2006 a 15/07/2006



OUTROS SITES
    neave.tv
  Eu nem sei quem sou
  Teatro Mágico
  Sei lá
  Língua do P.
  Ilusão de ótica
  Mamutes: Machos Modernos!
  Rodrigo Medeiros
  Malvados
  Cotidianus
  Michael Winslow
  Mas será o Benedito?
  Mago Branco
  Vestígios do dia
  Kibe Loco
  Idiossincrasias
  Limonada sem açúcar
  afinaldecontas
  cineblog
  Pra ser sincera
  Maternidade do texto
  PEbodycount
  Todas as cores de uma artista
  ...em tempo verbal!
  Liberdade e libertinagem de expressão!


VOTAÇÃO
    Dê uma nota para meu blog